Para aceder ao website da McDonald’s® Portugal utilize, por favor, um dos seguintes browsers: Microsoft Edge, Chrome, Firefox ou Safari.

Este site utiliza cookies. Ao navegar, estará a consentir com a sua utilização.

Saiba mais sobre a Política de Cookies aqui

Happy Meal Readers

Os gémeos ajudam um golfinho cor-de-rosa

A família Pinheiro-Bravo viaja até ao Rio Amazonas.

A família Pinheiro-Bravo inventou uma máquina do tempo que também consegue viajar debaixo de água, pela neve e pelo gelo, através da selva e das planícies para estudar animais incríveis, tanto no presente como no passado. Os gémeos encontram um Golfinho cor-de-rosa e… a aventura começa!

Leia mais sobre esta aventura

Golfinho cor-de-rosa



Nome Comum Boto-cor-de-rosa
Nome Científico Inia geoffrensis
Tipo Mamífero
Comprimento 2,15m a 2,55m
Peso 150 a 185 kg
Habitat Rio Amazonas; Rio Orinoco, Rio Araguaia, Rio Tocantins
População Desconhecido
Estado da Espécie Vulnerável


Já alguma vez tinham visto uma golfinho cor-de-rosa?

O Boto-cor-de-rosa é uma sub-espécie do Golfinho, que habita sobretudo no Rio Amazonas. Cercado de mistérios e lendas, este golfinho rosa do Amazonas, é um animal realmente encantador e chamativo. Um dos poucos membros da família dos cetáceos que habita rios e; sem dúvida, a sua cor é o que mais chama a atenção.

Estado da espécie

Infelizmente, a pesca furtiva está a ameaçar o boto-cor-de-rosa da Amazónia. Por ano, são mortos cerca de 2500 botos-cor-de-rosa no estado do Amazonas, para servirem de isco na pesca de outras espécies — o que os coloca numa situação vulnerável. E não queremos que os golfinhos passem a ser apenas uma lenda.

Curiosidades
  • O dimorfismo sexual é muito evidente nesta espécie, já que as fêmeas costumam ser até 50% menores e mais leves que os machos.
  • Ao nascerem e até a juventude; os botos apresentam uma coloração cinzenta, mas atingir a idade adulta tornam-se mais claros.
  • Os botos possuem uma alimentação bastante variada. Consomem peixes como corvinas e piranhas.
  • Estes golfinhos são bastante solitários e, quando formam grupos, não “aceitam” mais do que quatro elementos.