Para aceder ao website da McDonald’s® Portugal utilize, por favor, um dos seguintes browsers: Microsoft Edge, Chrome, Firefox ou Safari.

Este site utiliza cookies. Ao navegar, estará a consentir com a sua utilização.

Saiba mais sobre a Política de Cookies aqui

Happy Meal Readers

Os gémeos seguem um urso-polar

A família Pinheiro-Bravo viaja até ao Ártico.

A família Pinheiro-Bravo inventou uma máquina do tempo que também consegue viajar debaixo de água, pela neve e pelo gelo, através da selva e das planícies para estudar animais incríveis, tanto no presente como no passado. Os gémeos seguem um urso-polar e… a aventura começa!

Leia mais sobre esta aventura

Urso-Polar


Nome comum Urso-Polar
Nome científico Ursus maritimus
Tipo Mamífero
Altura 1,80m a 2,70m
Peso 350 a 500 kgs
Habitat Ártico
População 22,000 a 31,000
Estado Espécie Vulnerável



O urso-polar é uma das espécies mais conhecidas e adoradas do planeta.

Podem viver num dos locais mais gelados da Terra, mas não têm frio graças ao seu pelo espesso e quente e a uma grossa camada de gordura por baixo da pele. Até têm pelo debaixo das patas, para mão queimarem as patas no gelo e também para não escorregarem.

Os ursos polares estão perfeitamente adaptados ao habitat onde vivem. O pelo branco fornece o disfarce perfeito para caçar no gelo e os músculos fortes e patas grandes dão-lhes ferramentas perfeitas para nadar.

Estes gigantes do Ártico são os mestres incontestados do seu ambiente e um dos animais mais incríveis do nosso planeta.


Estado da espécie

Infelizmente, os ursos polares são uma das espécies mais ameaçadas pelas alterações climáticas, devido à diminuição do gelo e ao desaparecimento do seu habitat. É, por isso, urgente fazer todos os esforços para salvar estes majestosos animais.


Curiosidades
  • Os ursos polares têm a pele negra e o seu pêlo é, na verdade, transparente. A cor branca característica da espécie deve-se ao reflexo da luz do sol nos pelos.
  • Os ursos polares são classificados como “mamíferos marinhos”, pois passam a maior parte das suas vidas no gelo do Oceano Ártico.
  • São excelentes nadadores que, para além de conseguirem atingir velocidades superiores a 10 quilómetros por hora, são capazes de nadar.